Estima-se que uma a cada cinco crianças em idade escolar apresente algum distúrbio ocular, de acordo com pesquisas do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO). A miopia, a hipermetropia e o astigmatismo são as doenças oculares mais comuns nessa faixa etária.
Também chamadas de erros refrativos, essas doenças são caracterizadas por alterações nas estruturas oculares, como tamanho do globo ocular e curvatura da córnea, que dificultam a formação da visão.
Essas alterações podem ser provocadas por fatores hereditários, bem como por questões sociais e ambientais, como o uso excessivo de telas, menor exposição ao ar livre ou traumas oculares.
Independentemente da causa, o erro refrativo deve ser corrigido tão logo seja identificado, para reduzir os impactos negativos sobre a qualidade de vida da criança, como atrapalhar o rendimento escolar e as relações sociais.
A seguir, explicarei brevemente o que são a miopia, a hipermetropia e o astigmatismo, para esclarecer um pouco mais o assunto:

Miopia
A principal característica da miopia é não se enxergar objetos a longa distância. Uma das causas é o tamanho maior do globo ocular do paciente (diâmetro axial alongado), que leva à córnea e à retina ficarem mais distantes entre si. Outra causa pode ser a curvatura excessiva da córnea.
Por conta dessas alterações, os feixes de luz que passam pela córnea encontram seu ponto de foco antes de chegar à retina, fazendo com que as imagens de objetos distantes fiquem desfocadas.
Para tentar contornar esse erro refrativo, o míope tende a apertar os olhos para ajustar o ponto do foco das imagens e trazê-las até a retina. Outros sinais da miopia são fadiga ocular, dores de cabeça e, no caso das crianças, redução de interesse no conteúdo apresentado em lousa ou slides.

Hipermetropia
Indivíduos que apresentam hipermetropia tem dificuldade para enxergar de perto, pois os objetos se mostram distorcidos ou embaçados. Isto acontece porque o tamanho do globo ocular é menor (diâmetro axial curto) se comparado a quem tem visão normal ou por conta da curvatura da córnea ser menor.
O resultado dessas alterações oculares é que o foco das imagens vai acontecer depois da retina. No dia a dia das crianças, a hipermetropia pode levar a dificuldades de se enxergar o que se escreve ou desenha.
A caligrafia ruim pode ser um dos sinais da hipermetropia, assim como ‘pular’ linhas do texto, dificultando a alfabetização e levando a problemas de aprendizagem. A falta de interesses, dores de cabeça e cansaço visual são outros sintomas desse erro refrativo.

Astigmatismo
A córnea com maior curvatura em um meridiano em comparação a outro é a causa do astigmatismo, que faz com que os feixes de luz sejam projetos em vários pontos da retina, desfocando a visão.
Quem tem astigmatismo apresenta visão distorcida para perto e para longe e, muitas vezes, isto pode ocorrer em conjunto com a miopia ou a hipermetropia.
Dificuldade de concentração e atenção aos estudos são outros sintomas do problema, além de dores de cabeça, cansaço ocular, tensão muscular, vermelhidão e irritação nos olhos.
Em razão do que foi exposto é importante que a consulta oftalmológica seja incluída na rotina de saúde dos pequenos e os pais e responsáveis fiquem atentos a alguns sinais que estão associados aos erros refrativos.
Espero ter auxiliado.

Abraço,
Marcelo Creppe
Oftalmologista – CRM 82218-SP / RQE 41042 / CBO 104.343

Deixe uma resposta