Moscas volantes são sinal de envelhecimento

Ao fixar os olhos para uma parede vazia ou durante a leitura você já percebeu pequenos pontos escuros “voando”, como moscas? Este fenômeno oftalmológico, bastante comum a partir dos 45 anos de idade, tem o nome popular de “moscas volantes”.

Relatado desde a Roma Antiga, ou seja, há mais de 2 mil anos, por meio da expressão latina “muscae volitantes”, é um problema ocular ocasionado pelo processo natural de envelhecimento do vítreo, o fluído gelatinoso que preenche o globo ocular.

Com o passar dos anos, o vítreo tende a contrair-se, podendo se separar da retina em alguns pontos. Em alguns casos, esse processo favorece que proteínas ou minúsculas partículas de vítreo condensado, os grumos, se soltem da retina e fiquem flutuando no vítreo. Ao passar pela linha da visão, essas partículas bloqueiam a luz, resultando em sombras na retina, local atrás do olho onde se formam as imagens.

Esses grumos flutuantes são denominados popularmente de moscas volantes. Enquanto alguns veem pequenos pontos, outros enxergam manchas, filamentos, círculos e formas que se parecem com teias de aranha, que podem aparecer na frente de um ou dos dois olhos.

Míopes com mais de 45 anos, pessoas que se submeteram à cirurgia de catarata ou ao tratamento YAG Laser e quem já teve inflamação dentro do olho têm maior tendência de apresentar o problema.

Rasgos na retina também podem levar ao surgimento das moscas volantes, o que exige que sejam selados com laser argônico ou por crioterapia, para evitar o descolamento da retina e, futuramente, a cegueira.

Por isso, caso perceba a presença desses pequenos pontos em seu campo de visão, procure um oftalmologista para a realização de exames e avaliação do problema.

Espero ter ajudado.

Abraço,

Marcelo Creppe

Oftalmologista 

CRM 82218-SP / RQE 41042 / CBO 104.343 

Deixe uma resposta